OLOKUM


 

Trabalho do angolano Alexandre Silva.



Escrito por Alapalá às 00h35
[ ] [ envie esta mensagem ]


TRÊS POEMAS DE ABREU PAXE

 

DE TANTA FORÇA BRAVA

 

a seda de seus lábios jardins de tanto silêncio

nos dias de hoje chega ao sol

o mar de músculos rijos detalhes

ondeada a enxada abria meus olhos em pastos menores

às quatro da tarde meu quarto só dizia

a certo tempo um beijo meus cinco anos

vez ou outra meus olhos ainda descem o morro em força brava

 

 

NO MATERIAL O ANDOR DAS PAREDES

 

todos os dias estas velas traziam alegóricas cidades. 

mesma surpresa confidente pé

o céu todo dia sentado.

na terra o material das paredes empurra deitado

o meio-dia vestido inesquecível encantamento.

os olhos adiante lúcia na irrigação hoje primeiro dia

eram falas no sétimo mês inquieto discurso dentro dele

o céu todo dia de pé.

a terra material das paredes declarativos os espelhos

vidro fundo o sinal próximo acinzentado andor

este lugar se nada ocupa só dissolve

o possível sorriso na imutabilidade do tempo

 

(CONTINUA EMBAIXO) 



Escrito por Alapalá às 00h32
[ ] [ envie esta mensagem ]


O TEU PÉ NA MÃO DA BOCA

 

o teu pé simples gestos aonde te lava

a tua mão volumosa cegueira o que segura

a tua boca molha o que diz dos símbolos

em presença funcional descobre que as camisas

são objectos hospitalizados

rumos e vidraça

saem mais certamente do ilíaco e orientam marinho trabalhar

os astronautas como membros penetram-lhe o corpo

transparente rosto descalçado nos logaritmos degraus

as roupas marfim invisível na consciência longa

dos olhos o instrumento do diálogo

dáctila as substâncias islâmicas

portes o corpo das sombras máquinas

desérticas a armadura de teus olhos duras lembranças

 

 

Abreu Castelo Vieira dos Paxe nasceu em 1970 no Colonato do Vale do Loge, município de Bembe, Angola. É técnico de comércio externo pela Escola de Comércio. Publicou o livro de poemas A chave no repouso da porta (2003), vencedor do prêmio literário António Jacinto. Recebeu premiação também no concurso Um Poema para a África, em 2000, e nesse mesmo ano foi animador do Cacimbo do Poeta em sua terceira edição, atividade organizada pela Alliance Française de Luanda. No Brasil, foi publicado nas revistas Dimensão (MG) e Et Cetera (PR). 



Escrito por Alapalá às 00h32
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico
03/09/2006 a 09/09/2006
16/07/2006 a 22/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006




Outros sites
 Cantar a Pele de Lontra
 Zunái, Revista de Poesia e Debates
 Abreu Paxe
 União dos Escritores Angolanos
 Poesia africana de língua portuguesa
 Poesia angolana hoje
 Angola Press
 Valter Hugo Mãe
 Dicionário de autores angolanos
 Papel de Rascunho (Virna Teixeira)
 Claudio Daniel Home Page
 Ana Rusche
 O Pesa-Nervos
 Ademir Assunção
 Ricardo Aleixo
 Luís Carlos Patraquim (Moçambique)
 Moçambique para todos
 SenzalAngola
 Artes plásticas de Angola
 Nota sobre a Literatura de São Tomé e Príncipe
 Autores africanos
 Poesia moçambicana contemporânea
 Fotos da cidade de Maputo (Moçambique)
 Museu Afro-Brasil
 Poesia africana de língua portuguesa